Quer aproveitar ao máximo os dias de trabalho? Leve seu cérebro em conta

Você certamente já se sentiu improdutivo (assim como eu estou me sentindo agora). Com aquela pulga atrás da orelha de que você deveria (e poderia) estar concluindo suas tarefas e liberando sua pauta para novas e importantes atividades. Então, você decide procurar pelos conselhos do oráculo, a.k.a. Google, que diz todo empolgado: “isso é falta de foco”, “saia da internet”, “vá dar uma volta que passa” – nós sabemos disso tudo, já discutimos isso aqui e aqui e aqui. As técnicas que você encontra são válidas. Inclusive, podem resgatar uma boa porção da sua produtividade naquele momento difícil. Mas, não são o segredo para prevenir a improdutividade. E é aí que seu cérebro merece uma atenção extra. Neste texto, apresentaremos algumas dicas para você saber como aproveitar ao máximo os dias de trabalho.

Preste atenção no seu cérebro

Como bons profissionais, criativos e cheios ideias, temos a tendência de tratar nossos corpos como máquinas. Queremos e precisamos trabalhar. Portanto, agimos como se nossa energia, atenção, foco e produtividade fossem constantes absolutas durante o tempo que desejarmos. “Preciso escrever um texto? Tranquilo, vou para minha mesa e em 3 horas está pronto”. É como se nada pudesse te impedir, exceto que algo pode, seu cérebro.

Nossos cérebros têm picos de produtividade e improdutividade, precisamos aprender a lidar com esta ondulação de foco. Sabendo disso, utilizar as técnicas que indicamos em outros artigos com a Pomodoro, o trabalho com entregáveis e outras, já são boas formas de sair de momentos improdutivos, forçando seu corpo a atingir níveis de produtividade desejáveis. Contudo, não há nada melhor para usufruir mais inteligentemente do seu tempo do que se planejar a partir da sabedoria sobre seu cérebro.

Alto processamento gasta mais energia

Um dos pontos mais importantes deste órgão e que é essencial para sua produção é o seu córtex pré-frontal. Ele consiste em uma fina fatia do seu cérebro, próxima de sua testa. A qual é responsável por alguns processamentos intensos, como planejamento, hierarquização de tarefas e criatividade. Contudo, justamente por seu alto nível de processamento, seu consumo de energia é bastante alto. Fazendo com que ele se canse mais rapidamente que o resto do cérebro, diminuindo sua produção ao longo do período de trabalho.

Tendo essas informações em mente, eis aqui o que você pode fazer para evitar que seus dias sejam improdutivos:

1- Identifique o seu padrão cerebral

Algumas pessoas são mais produtivas pela manhã, com a mente livre, logo após acordarem. Outras têm seu pico de foco durante a tarde ou depois de tomar um bom café, depois de “realmente acordarem” (#tamojunto).

Portanto, identifique os horários em que você está mais produtivo. Geralmente, segundas e terças e o período manhã são os dias e horários com maior incidência de produtividade.

funcionamento-do-cérebro

2- Reserve seus “horários nobres” e improdutivos

Depois de definir seus momentos de maior foco e atenção, graças à um córtex pré-frontal descansado e ativo, reserve estes horários. Faça  bloqueios no seu calendário, anote na sua folhinha ou cadastre já algum job nesse período (depois você pode especificá-lo com o que irá fazer).

Também tenha em mente e reserve os dias e horários em que você menos produz. Ambos serão essenciais para o seu planejamento de produtividade para seus dias e semanas.

3- Hierarquize sua pauta

Certamente você (assim como eu) já tem uma pauta cheia de itens a fazer. Portanto, analise-os um a um, levando em consideração seus prazos, importâncias e tudo mais. Em seguida, crie um ranking, listando os mais relevantes e urgentes, pois estes ganharão tratamento VIP.

4- Faça seu planejamento.*

Com os dados sobre suas tarefas mais importantes e seu padrão cerebral, crie um plano de horas para sua semana, dia a dia.

Obviamente, coloque as tarefas com maior relevância para serem executadas em seus “horários nobres”. Ou seja, prefira alocar estas horas para jobs que exigem de muita criatividade. Ou para criar um planejamento estratégico que depende de muito foco e atenção.

Enquanto isso, nos dias e horários de menor produção, distribua suas horas para atividades com menor urgência ou menos complexas. Como aquele job que ainda tem algumas semanas de prazo ou para responder e-mails e fazer trabalhos “braçais” (aqueles que seu cérebro faz praticamente sozinho).

Já para seus horários mais improdutivos, tente criar momentos de relaxamento. Uma saída da sala pode ser uma boa ideia – então, se você é o atendimento em uma agência (ou faz parte de um departamento comercial), aproveite para agendar uma visita a um cliente ou fornecedor.

Você também pode utilizar essas horas para atividades mais descontraídas e que não exigem um foco em produção exacerbado. Como reuniões de equipe e feedbacks com clientes ou com seus colegas de trabalho. Até mesmo brainstorms podem ser bem-vindos nesses momentos.

*Não se preocupe em acertar perfeitamente as horas gastas em cada atividade neste momento. Ao longo da sua experiência você irá ter uma noção melhor de quantas horas precisará para cada atividade.

Conclusão

Com este planejamento você dá um passo a diante para garantir dias e semanas mais produtivos, com seus picos de atividade cerebral sendo devidamente bem utilizados para executar tarefas importantes, enquanto você ainda pode utilizar os momentos menos produtivos para realizar alguma coisa e não perder preciosas horas de trabalho.

Aqui no Operand já planejamos nossos dias e semanas desta forma: utilizamos os primeiros momentos das manhãs das segundas-feira para determinar o que será executado ao longo da semana, produzimos intensamente durante os primeiros dias da semana, enquanto nossas reuniões e revisões sobre a produção se concentram na quinta e sexta-feira. Enfim, até mesmo nossa reunião geral, que acontece toda semana, é feita na sexta-feira, aproveitando um dia em que nossos cérebros estão mais cansados para discutir e conversar sobre o que foi feito durante a semana que passou e que será feito na próxima.