Tomada de decisão: dicas para ser mais assertivo

Respire fundo e acredite: essa dificuldade de tomada de decisão não é uma exclusividade sua. O desafio de ser assertivo nas escolhas, sem se deixar abater pela angústia, pela insegurança, pelo medo do desconhecido, é comum, em alguma medida, à maioria de nós. Certamente, mesmo o líder mais valente, diante de determinada situação, recua, pensa, analisa, pensa de novo. E, só depois, ainda com um quê de insegurança, decide e segue adiante.

Por que temos dificuldade de decidir?

Uma das razões que nos leva a sentir uma angústia antes de decidir e, em alguns casos, nos paralisa por um tempo é justamente o fato de que optar por uma alternativa implica, necessariamente, em abrir mão de outras possibilidades. E essa renúncia quando não gera dor, gera dúvidas e inquietações. É possível – e quase sempre acontece – que, em algum momento, você se pegue pensando em como poderia ter sido se tivesse escolhido outro caminho. Aliás, é preciso cuidar para que a sua insegurança não se transforme em arrependimento ou gere uma sensação de fracasso!

Nossos filtros nos ajudam, os nos atrapalham

Como se não bastasse, os nossos vícios comportamentais também podem limitar nossa visão e dificultar o processo decisório. Quantas vezes você já tirou conclusões tendo como base apenas os seus preceitos morais, as suas crenças e valores e o seu estilo de vida? O problema é que estamos muito habituados a ver o mundo com o nosso filtro e aplicamos este como se fosse padrão. Ou seja, da mesma forma, cada organização também é única em sua estrutura, sua história, sua área de atuação, seus objetivos e seu modo de conduzir os negócios.

Muito além de avançar na nossa percepção sobre este processo, é preciso buscar também recursos e métodos que podem nos ajudar a pautar a tomada de decisões estratégicas.

Como melhorar a tomada de decisão

Então, por onde começar? Como melhorar, na prática, nossa capacidade de tomar decisões? Elencamos algumas ações que podem te ajudar.

1. Seja analítico e busque respaldo

Normalmente, quando a tomada de decisão está muito embaraçosa é porque faltam dados e informações para pautar a análise minuciosa do impacto daquela escolha. Neste caso, busque saber mais. É importante avaliar indicadores da empresa, dados sobre o desempenho da equipe, o posicionamento da marca e tantas outras informações.
Se preciso, fracione a dúvida e avalie com calma cada aspecto envolvido para ter embasamento. E, a partir daí, resolva a questão maior e tome a decisão com segurança.

2. Visualize o futuro

Um bom profissional é capaz de planejar e projetar o futuro, medindo as consequências e avaliando os impactos das ações desenvolvidas hoje. Por isso, adotar o método 10-10-10 como ferramenta na tomada de decisão pode ajudar os gestores a serem mais assertivos na hora de decidir. Criado pela autora Suzy Welch, o método consiste em fazer três perguntas sobre a decisão a ser tomada:

– Quais serão as consequências da minha decisão daqui a 10 minutos?
– Daqui a 10 meses?
– E, por fim, daqui a 10 anos?

Este método funciona quase como um alerta. Por mais pessoal e única que seja, ela impacta a vida das pessoas e da organização não só hoje, mas por muito tempo. O legado de cada profissional, de certa forma, é composto pelas suas entregas e pelo seu conjunto de decisões tomadas ao longo da carreira.

3. Adote o método “Ou”

Pergunte-se:

“Devo contratar um auxiliar ou um técnico para esta vaga?”

Diante de duas alternativas, pare, avalie e pense em possibilidades não exploradas. Além de pensar nas duas opções, pergunte-se: afinal, o que eu faria se não pudesse escolher nenhuma delas? É bem possível que você passe a visualizar novas alternativas. Use a técnica do Ou e veja além das duas opções disponíveis inicialmente.

O teste das opções ausentes, criado pelos autores Dan & Chip Heath, te leva a ampliar seu leque de opções.

Muito bem, agora faça o movimento contrário e se pergunte: e se eu pudesse escolher as duas opções?

Seguindo o nosso exemplo inicial, antes de partir para a domada de decisão entre um e outro, o gestor pode escolher contratar os dois – o técnico e o auxiliar administrativo. E, então, identificar na prática quem se adapta melhor à empresa e entrega e responde com mais eficiência. Ou seja, dependendo da demanda e do cenário, é possível, inclusive, manter os dois profissionais no time após o período de experiência. Portanto, descubra se uma das opções é aplicável ou se as duas fazem sentido!

Quer ter acesso a mais dicas como essa?

Cadastre-se e receba conteúdos exclusivos

Enfim, é cada vez mais necessário e urgente que os profissionais tomem consciência sobre a importância do seu papel. E também do seu olhar crítico e analítico, e da sua coerência aplicada à tomada de decisão. Portanto, é o conjunto delas que define o futuro das pessoas e da organização!